Teorias da Administração I – Administração Científica

Post nº 130

A Administração Científica foi iniciada por Taylor e se constituiu na primeira Teoria da Administração. Essa Escola  inaugurou conceitos como  eficiência, racionalização e divisão do trabalho, e trouxe a especialização do operário.

tempos-modernosNo século XVIII, impulsionadas pela Revolução Industrial, surgiram as fábricas…

Nas primeiras décadas do século XX, o crescimento e o desenvolvimento dessas fábricas levaram ao surgimento das organizações modernas, tal como as conhecemos hoje.

Administração-científicaNo início do século XX já existiam grande número dessas empresas. Apresentavam tamanhos variados e todas tinham problemas de baixa produtividade e grandes desperdícios. Era preciso resolver esses problemas…

Foi nesse cenário, que o engenheiro americano Frederick Winslow Taylor desenvolveu os primeiros trabalhos que mais tarde se configurariam como a Administração Científica. Assim, surgiu a primeira Teoria da Administração, chamada de Administração Científica ou Taylorismo.

Taylor começou a trabalhar em uma indústria como aprendiz. Mais tarde mudou-se para Midvale Steel Works especializada na construção de máquinas. Começou como operário, depois foi para o escritório, passou a ser gerente e, finalmente, engenheiro-chefe.

Foi como engenheiro-chefe que a ideia básica de Taylor era aumentar a eficiência da indústria para obter maior produtividade. Ele buscou isso por meio da racionalização do trabalho no nível operacional, ou seja, no nível onde a tarefa era executada.

Taylor notou que, no nível operacional, os operários aprendiam as tarefas observando como seus companheiros faziam. Notou também que essa forma de aprendizagem levava a diferentes formas de executar determinadas tarefas. Com isso, ele procurou desenvolver um  método que fosse mais rápido e mais adequado para executar cada tarefa.

Seu método consistia em identificar os movimentos necessários, assim como o tempo médio necessário, para o operário realizar determinada tarefa. O objetivo era descobrir um padrão para a execução da tarefa. Em resumo, Taylor organizou racionalmente o trabalho.

Com isso, vemos que o conceito de eficiência é fundamental no Taylorismo. Considerando a eficiência como o correto uso dos recursos disponíveis, ao procurar a melhor forma de fazer uma tarefa, Taylor privilegiava a eficiência. Ele queria aumentar a produtividade pela eficiência.

Em tempos de crise, vamos zelar pela eficiência de nossas práticas e melhorar nossa produtividade!

Enfim, pelo acima exposto, podemos tirar duas conclusões:

  1. A ênfase nas tarefas é a característica principal dessa Teoria Científica da Administração;
  2. A Abordagem é de baixo para cima, uma vez que o processo começava no operário indo para o supervisor e o gerente.

Nós da Administração Pública, temos a EFICIÊNCIA como princípio constitucional expresso através da EC n. 19/98.

Nosso aclamado Hely Lopes Meirelles já antes da EC n. 19/98, falava da Eficiência como um dever da Administração Pública:

Dever de eficiência é o que se impõe a todo agente público de realizar suas atribuições com presteza, perfeição e rendimento funcional. É o mais moderno princípio da função administrativa, que já não se contenta em ser desempenhada apenas com legalidade, exigindo resultados positivos para o serviço público e satisfatório atendimento das necessidades da comunidade e de seus membros. (MEIRELLES, Hely Lopes. Direito Administrativo brasileiro. 22 ed. São Paulo: Malheiros, 1997, p.90).

Só mais uma coisa: devemos ter em mente que eficiência não é tudo. É preciso, também, privilegiar os outros dois conceitos: eficácia e efetividade…

Fica com Deus e… Até o próximo Post!

Com afeto, Evilânia Macêdo